Bem vindo(a) ao Guia de Aves de Botucatu e São Manuel!

Quem somos nós?

Somos do Laboratório de Etologia (Departamento de Fisiologia) do Instituto de Biociências-UNESP (campus de Botucatu). A relação de aves deste Guia foram compiladas dos trabalhos acadêmicos de conclusão de curso em Ciências Biológicas (Bacchim, 2018; Lopes, 2018; Boato, 2017) e de uma dissertação de mestrado (Pagnin, 2018), bem como, de dados da literatura (Nishida et al, 2012; Ortega e Engel, 2009; Luko, 2010), e da comunicação pessoal de pesquisadores locais (Antonelli e Batista, 2018). Usamos também os registros digitais das aves publicados no Wikiaves para os dois municípios.  O Laboratório de Etologia em pareceria com o CEMPAS (Centro de Estudos e Pesquisa em Animais Selvagens) da Faculdade de Medicina  Veterinária e Zootecnia-UNESP, vem realizando desde 2017, atividades de popularização e difusão da Ornitologia por meio do projeto de extensão “Passarinhando: Educação Ambiental e Conservação”  que pode ser conhecido aqui.  Também temos pareceria com a Radio Unesp com quem desenvolvemos curtos podcast sobre as aves chamado Que canto é esse? e com a Secretaria do Verde da Prefeitura Municipal de Botucatu por meio de várias atividades educativas (eleição da ave-símbolo de Botucatu, exposições fotográficas itinerantes e a realização de levantamento avifaunístico nos parques municipais). 

Ao compartilharmos esta publicação com a comunidade esperamos que além de empoderamento do conhecimento sobre o patrimônio natural, o Guia auxilie os cidadãos botucatuenses e são são-manuelenses a se divertirem identificando as aves nos seus quintais, jardins, parques municipais e  arredores. E, mais do que a contemplação esperamos que a população se sensibilize e se encante diante da enorme diversidade de formas, tamanhos, hábitos, cantos e a função ecológica que as aves exercem na Natureza e se torne um conservacionista ativo e participativo, por fazer parte dela. 

A importância do levantamento faunístico. 

Estado de conservação. Todas as espécies biológicas evoluíram em habitats característicos. Os municípios de Botucatu e São Manuel estão inseridos no domínio paisagístico do Cerrado e da Mata Atlântica do interior numa região de encontro destes dois biomas. Algumas espécies são mais resilientes do que outras, ecologicamente falando, frente às alterações das paisagens provocadas pelos acidentes naturais e pelas ações humanas (urbanização, construção de estradas, pastagens, campos agrícolas, usinas hidrelétricas e de mineração, etc.). As ações antrópicas reduziram, significativamente, as paisagens originais e as remanescentes ficaram fragmentados e sem conexão entre si. Várias espécies “invadiram” as áreas urbanas à procura de recursos e se deram bem (como o bem-te-vi, coruja-buraqueira, corruíra, sabiás, etc.) mas outras estão com suas populações naturais perigosamente em declínio e ameaçadas. Outro fator que contribui ameaçando a fauna e a flora nativa é a biopirataria, ou seja, o terceiro comércio ilegal mais lucrativo que é o tráfico da vida selvagem. Conhecer o patrimônio natural da região onde moramos não só nos empodera de conhecimentos como enseja praticar atitudes conservacionistas permanentes.     

Equipe responsável pelo site 

Silvia Mitiko Nishida    (silvia.nishida@unesp.br)

João Pedro Salvador Boato (joaopsalvador07@gmail.com)

Lais Lopes de Freitas (lais_f.lopes@hotmail.com)

Gustavo Toledo Bacchim (gu_bacchim@hotmail.com)